VOCÊ VIVE O SEU SONHO DE INFÂNCIA?

Fabiana M. Machado

O que você queria ser quando crescesse? Uma super heroína com poderes para proteger o mundo, uma professora para transmitir o seu conhecimento, uma policial para acabar com a criminalidade, uma enfermeira ou médica para curar e salvar pessoas. Quem nunca sonhou quando criança?

Você pode estar vivendo hoje o seu sonho de infância ou algo diferente, mas a decisão teve a ver com o dinheiro?

Quando criança, ainda inocentes, não temos a preocupação com o dinheiro. É como ter um passe livre para sonhar, sem limite. Tudo é permitido e possível e ainda não somos responsáveis por nada. Por outro lado, somos totalmente dependentes.

Vem a fase adulta, hora de nos tornarmos responsáveis; mais ainda, independentes! Sustento, trabalho, tudo se mistura com o antigo sonho. É possível juntar tudo e gerar dinheiro fazendo aquilo que sempre sonhamos? Mas, quanto ao dinheiro, será suficiente para o sustento, para minha liberdade, para a minha independência, para minha estabilidade e segurança?  

Talvez essa conta não feche e seja preciso abrir mão do sonho. Mas você já fez a conta de quanto é necessário para proporcionar a sua independência, liberdade e segurança? Imagine um valor. Esse valor está na sua conta bancária? Se negativo, o que você precisa fazer para alcançar esse número?

Falando em liberdade, não lhe passa pela mente uma lista de coisas para comprar ou fazer com o dinheiro? Ou seja, gastos, gastos e mais gastos. Ou pode não ser tantos gastos assim, mas uma suposta segurança de ter dinheiro guardado para quando precisar?

O que não enxergamos

É bem provável que você não tenha claro um valor definido (tendo ou não dinheiro) e até evite olhar para o extrato por motivos diversos que o dinheiro pode despertar em você, como medo, ansiedade, estresse e frustração.

Com isso, infelizmente, o sonho deixa de ser “realizar algo” para se tornar uma busca incansável por independência e segurança com o dinheiro. Sim, dinheiro é necessário, mas transferimos a ele o que não queremos enxergar em nós mesmas: a capacidade de ser útil e gerar dinheiro versus os desejos e o que o dinheiro pode proporcionar.

Mas, como diz Deepak Chopra, em seu livro As sete leis espirituais do sucesso, “você tem um talento singular e uma maneira única de expressá-lo. Existe alguma coisa que você consegue fazer melhor do que todo mundo. E, para cada talento singular, em sua forma única de se expressar, existem necessidades específicas. Quando essas necessidades se combinam com a expressão criativa de seu talento, surge a fagulha que cria a riqueza.”

Então, despertar para a vida adulta não significa acabar com o sonho. Independente da profissão ou carreira a ser seguida, você já pensou o que a motivava e inspirava quando criança? Ensinar, cozinhar, dançar, curar, cuidar, salvar?

Ser capaz de expressar um talento e se tornar financeiramente autossuficiente é realizar o sonho. O dinheiro é sempre resultado e não a causa. E não precisa ser muito.

Para realizar o seu sonho, é essencial continuar acreditando, como criança, que tudo é possível e, como adulto, ter clareza da sua motivação, não apenas em relação às finanças, mas à própria vida. Afinal, não existe sonho maior.

Fabiana M. Machado

Sócia-fundadora da MoneyMind® e especialista em comportamento financeiro. Colunista do Bella Mais, um site dedicado ao universo da mulher em diferentes segmentos, e escrevo semanalmente textos relacionados ao comportamento financeiro ao público feminino.

Quer saber mais? Acompanhe a coluna semanal. Todas as quintas tem texto novo para você refletir sobre a sua relação com dinheiro.

Quer organizar a vida financeira e construir uma relação mais consciente e saudável com o dinheiro?

Vamos conversar

*Este texto foi publicado no site Bella Mais, em 02/julho/2020.