PROMOÇÃO: O QUE VOCÊ NÃO PODE PERDER?

Fabiana M. Machado

Nesta época do ano em que, tradicionalmente, o comportamento se volta às compras com as promoções da Black Friday, costumo refletir mais sobre os desejos, necessidades, hábitos e escolhas, do que sobre o quanto de dinheiro é gasto. 

Neste ano, fiquei pensando se o invisível vírus, com toda a força devastadora que veio, pudesse trazer uma mensagem que, de fato, mudasse a forma de ver o mundo e, claro, o comportamento ao lidar com o dinheiro. Mas sei que isso não é verdadeiro. O que é verdadeiro é o desejo de que essa pandemia passe logo e, assim, possa “tudo voltar ao normal”.

Um normal que significa “aproveitar” as tentadoras promoções, mas que pode corresponder a verdadeiras compras por impulso, desnecessárias e, muitas vezes, a qualquer custo e não apenas financeiro.

Lembro quando uma amiga me disse: vai estar tudo em promoção e eu não posso perder, né amiga! Na hora, profissionalmente, vários pensamentos vieram à minha mente, mas procurei me concentrar na conversa sem compromisso, embora (admito!) não seja tão simples separar esse diálogo dentro de mim.

A oportunidade de pagar menos do que usualmente pagaria por algo pode ser vantajosa, mas também uma tentadora forma de abrir mão do autocontrole e se jogar na bendita promoção como se não houvesse amanhã… mas, é bom lembrar, o “amanhã” chegará e será longo se diluído em parcelas a perder de vista no cartão de crédito.

Nessa hora, sempre me pergunto: o que eu não posso perder? Logo penso em várias respostas, mas tenho uma certeza: não posso perder a minha liberdade de escolher “se, quando e por que” comprar.

Mas a minha certeza não fazia sentido para a minha amiga, assim como, pra mim, não fazia sentido ir à procura de promoções com a falsa ilusão de que estaria fazendo um excelente negócio! 

Enquanto parece ser uma vantagem pagar 180,00 por algo que custaria 400,00, é importante ter a consciência de que efetivamente vai “gastar” 180,00 e se, ao contrário de ser uma boa oportunidade, não trará mais dívidas. Por maior que seja o desconto, ele não é maior do que a capacidade de pagar pela compra. 

Além disso, economizar não é apenas pagar mais barato, mas também não gastar para, assim, ter dinheiro guardado para algo mais importante no futuro.

É bom lembrar que a preocupação com a falta de dinheiro assombrou muitas pessoas durante a pandemia e fez surgir o arrependimento por não ter dinheiro guardado ao longo da vida (a famosa reserva de emergência), gerando um estresse financeiro enorme nas famílias. Que isso possa ser um aprendizado e motivação para a mudança necessária no comportamento de economizar e guardar dinheiro.

E para adquirir esse hábito, você pode começar tomando consciência de como o dinheiro está sendo usado: numa promoção imperdível ou para garantir a liberdade. O que você não pode perder?

Fabiana M. Machado

Sócia-fundadora da MoneyMind® e especialista em comportamento financeiro. Colunista do Bella Mais, escrevo textos sobre o comportamento financeiro e a relação com o dinheiro.

Quer saber mais? Acompanhe nosso blog.

Quer ajuda profissional para melhorar a sua relação com o dinheiro? Entre em contato. Será um prazer ajudar você.

Entrar em contato

*Este texto foi publicado no site Bella Mais.