Procura-se a tão falada liberdade financeira

Entenda o paradoxo entre liberdade e dinheiro

É interessante ouvir falar de liberdade financeira… a tão sonhada liberdade financeira! Como conquistá-la? O que é preciso fazer? Quando chegará a hora de tê-la? Onde ela estará? Será no patrimônio, na conta bancária, nos investimentos? Qual o valor e quanto custará alcançá-la?

A palavra “liberdade” é sinônimo de autonomia, independência. Por si só, ela define o que buscamos: sermos livres para agirmos segundo a nossa vontade. Ela não precisa de mais nada. Mesmo assim, criamos um tipo específico de liberdade para definir o que queremos ter com o dinheiro: a liberdade “financeira”. Mas que sentido ela tem pra você?

A princípio, você pode pensar que liberdade financeira é ter dinheiro para não ter preocupação em pagar contas ou, quem sabe, não ter que trabalhar nunca mais. Ter dinheiro à sua disposição, a qualquer momento, sem depender de nada nem ninguém.

Ah, quando eu tiver muito dinheiro…

Essa ideia é muito comum, mas, pra mim, é intrigante, pois, se você precisa ter algo para ser livre, onde está a sua liberdade? O simples fato de precisar do dinheiro faz com que você não seja uma pessoa livre.

Ao contrário, somos dependentes do dinheiro, pois precisamos dele para viver e, para isso, temos que trabalhar, ou sermos dependentes de alguém ou de algo que nos dará o dinheiro, mesmo que seja de investimentos no banco, aposentadoria ou rendimentos de um imóvel, por exemplo. Essa é a nossa realidade.

E o dinheiro não dará liberdade. A falta de dinheiro causa insatisfação e preocupação. Mas, muitas vezes, mesmo tendo dinheiro, você pode não se sentir livre ou em condições de usufruir do dinheiro que tem.

Recentemente, famosos influenciadores digitais, com cifras milionárias, usaram suas redes sociais para desabafos dizendo que se tornaram “escravos dos lucros” e que não possuem liberdade para fazer o que querem, além da situação afetar as relações pessoais, familiares e, inclusive, a saúde mental.

Entre as mulheres, é comum falar em ter dinheiro para ter liberdade, mas, em muitos casos, ter dinheiro representa gastar mais. Ou seja, buscam prazer e não liberdade. Quando se tem o comportamento de gastar, mais dinheiro apenas fará aumentar os gastos.

Com minha experiência ajudando as pessoas a construir uma relação mais consciente com o dinheiro, percebo ainda que é comum sequer saber quanto é preciso ter para alcançar a “liberdade”. Simplesmente querem ter dinheiro. É sempre uma busca inatingível que, ao contrário do que se espera, só gera mais ansiedade e frustração.

E o custo para alcançar essa liberdade também não é medido: virá do trabalho duro (e que não seja decorrente de fazer o que gosta), de uma fórmula mágica, de uma receita pronta, de saber arriscar mais, de saber gerar dinheiro com uma renda passiva, de uma herança? Principalmente numa época em que se fala de propósito de vida e bem-estar, já pensou o que faz sentido pra você?

Seja como for, é importante ter clareza do que você busca com o dinheiro. Mais do que ter liberdade, procure ser livre para fazer as suas escolhas com o dinheiro, de forma consciente e que faça sentido na sua vida.


*Esse texto foi publicado originalmente no site Bella Mais.

Fabiana G. M. Machado

Sócia-fundadora da MoneyMind® e especialista em comportamento financeiro. Trabalha com processos individuais, treinamentos e palestras com foco em comportamento financeiro, ajudando as pessoas a organizar a vida financeira e lidar com o dinheiro com mais liberdade e consciência.

É colunista do Bella Mais, um site dedicado ao universo da mulher em diferentes segmentos, e escreve semanalmente textos relacionados ao comportamento financeiro ao público feminino.