O SENTIDO DA ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA

Fabiana M. Machado

Organizar é minha paixão.

Desde pequena, colocando coisas no lugar, muito me diziam que era uma mania. Para que se preocupar tanto em arrumar, tirar, limpar, mudar coisas de lugar? Deixa isso pra lá e vai fazer algo mais prazeroso. Era o que eu mais ouvia. Eu, na verdade, não me preocupava nenhum pouco em fazer tudo isso. Tudo fluía. E, ao final, tinha uma maravilhosa sensação de bem-estar. 

Passei a notar que a organização é um processo: primeiro vem o incômodo com a situação. Depois, identificar o que incomoda e traz desconforto. Em seguida, tomar coragem para colocar a mão na massa. No meio do caminho, muitos desafios: excesso de coisas, limpeza, mexidas, encontrar o que estava escondido, fluxo de energia circulando, ar a ser renovado e por aí vai. Depois, vem a parte estratégica: pensar em como mudar e melhorar. E ao final, usufruir dos benefícios da organização.

Isso pra mim é natural e faz todo o sentido. Então, nunca desisti de acreditar na organização. E a minha intuição estava certa. Hoje, uso a organização no meu trabalho. Não apenas para organizar as minhas tarefas, atendimentos, objetos e agenda. Uso para ajudar os meus clientes a organizar a vida financeira. 

Organização proporciona bem-estar.

O processo é o mesmo: o que incomoda na relação com o dinheiro? Será que o incômodo é só quando tem dívida? Certamente que não. Pode ser quando falta, mas há como reduzir despesas? Para onde está indo o dinheiro? Como as emoções estão interferindo no comportamento com o dinheiro? Enfim, entender os desafios que o dinheiro traz faz parte do processo. E, embora o dinheiro seja neutro, muita energia gira em torno dele. Hora de ver o que há para melhorar.

E sou apaixonada por uma planilha. Pode ser no computador, no planner, caderno e até mesmo num rabisco. Cada uma personalizada, com um olhar que é único a cada cliente. A planilha me serve como ferramenta para ajudar a olhar para o dinheiro e entender o fluxo o dinheiro. E mais: uso com a sensibilidade para perceber o que faz sentido para cada uma das pessoas, pois sei que o objetivo final não é a organização. É o bem-estar financeiro que ela proporciona e que permite, entre outras coisas:

  • Quebrar o tabu de falar de dinheiro. 
  • Ter leveza ao tratar de um assunto importante e necessário durante toda a vida.
  • Conseguir olhar a conta bancária sem estresse para tomar as decisões que precisa.
  • Ter clareza do estilo de vida e o que faz sentido consumir.
  • Lidar com as questões do dia a dia, como pagar as contas, encontrar alternativas para reduzir despesas, evitar gastos desnecessários com o cartão de crédito, saber quanto tem na conta e não entrar no cheque especial constantemente e outras coisas que acontecem e você nem sabe como ou porquê.
  • Conseguir planejar e reservar com antecedência e tranquilidade o dinheiro para fazer aquela reforma na cozinha ou realizar outro projeto que ainda é um sonho. 
  • Economizar dinheiro e entender que faz sentido poupar para ter uma reserva.
  • Poder trabalhar sem ficar preocupado, distraído e pensando como resolver a situação financeira que não está boa (e você achou que um empréstimo resolveria).
  • Aproveitar o momento e usufruir do que o dinheiro pode proporcionar.

Enfim, organizar para deixar o dinheiro fluir na sua vida e colocar a atenção no que é essencial, seu trabalho, estudo ou outras atividades, vivendo de uma forma mais leve com o dinheiro.

Quer ter bem-estar financeiro na sua vida e não sabe por onde começar? É só me chamar!

Fabiana M. Machado

Sócia-fundadora da MoneyMind® e especialista em comportamento financeiro. Colunista do Bella Mais, um site dedicado ao universo da mulher em diferentes segmentos, e escrevo semanalmente textos relacionados ao comportamento financeiro ao público feminino.

Quer saber mais? Acompanhe a coluna semanal. Todas as quintas tem texto novo para você refletir sobre a sua relação com dinheiro.

Quer organizar a vida financeira e construir uma relação mais consciente e saudável com o dinheiro?

Vamos conversar

*Este texto foi publicado no site Bella Mais, em 17/setembro/2020.