Mais dinheiro pode não ser a resposta certa

O que você espera da sua relação com o dinheiro em 2020?

O ano novo começou e você está feliz com o saldo deixado em 2019? Ou gastou mais do que devia, não consegue sair das dívidas ou não tem dinheiro guardado para as despesas de início de ano? Nesse caso, será que mais dinheiro ajudaria a resolver a sua vida financeira em 2020?

Entra ano, sai ano e a sua situação financeira é sempre a mesma: você tenta equilibrar as contas, procura de alguma forma planejar as suas finanças e, quem sabe, até estabelecer metas para quitar dívidas, economizar para alguma viagem ou fazer um curso ou, ainda, investir.

Mas você já parou para pensar de que adianta planejar se você continua com o mesmo comportamento ao lidar com o dinheiro?

Antes de pensar em se planejar, convido você a fazer um balanço da sua vida financeira e observar não somente o seu saldo no banco, mas também o seu comportamento:

– Você gasta e não sabe para onde vai o dinheiro?

– Culpa seus problemas financeiros a fatores externos?

– Usa o seu dinheiro para atender às necessidades dos outros?

– Tem uma relação de ódio e amor com o dinheiro?

– Compra por impulso, compra o que não precisa e ainda se endivida?

– Usa o cheque especial ou limite do cartão de crédito como fonte de renda?

– Gasta além do limite com a certeza de que algum familiar irá pagar a conta?

Esses são exemplos de comportamento que não geram resultados positivos na sua vida. Então, se você respondeu sim para algumas das perguntas acima, é hora de entender a sua relação com o dinheiro.

Mesmo quando falamos de planejamento, é preciso compreender que a nossa mente não está programada para agir de forma tão racional quando o assunto é dinheiro. Agimos de forma emocional. E, na maioria das vezes, agimos com base nas informações, emoções, sentimentos e valores recebidos ao longo de toda a nossa vida.

Ficar ansiosa ou nervosa ao ter que controlar as receitas e despesas, ter dificuldade de olhar para a conta bancária, sentir-se culpada por não conseguir gerir o seu dinheiro ou sair para comprar algo quando está triste, são exemplos de como as emoções influenciam o comportamento.

Com esses exemplos fica mais fácil perceber que mais dinheiro não irá fazer você mudar o seu comportamento e melhorar sua vida financeira. Portanto, a dica para o planejamento de 2020 não é apenas conhecer e controlar as suas receitas e despesas, mas também reconhecer as emoções que guiam as suas decisões financeiras.


*Texto publicado originalmente no site Bella Mais, em 09.01.2020.

Fabiana G. M. Machado

Sou sócia-fundadora da MoneyMind® e especialista em comportamento financeiro. Trabalho com programas individuais, treinamentos e palestras com foco em comportamento financeiro, ajudando as pessoas a organizar a vida financeira e lidar com o dinheiro com mais liberdade e consciência.

Sou colunista do Bella Mais, um site dedicado ao universo da mulher em diferentes segmentos, e escrevo semanalmente textos relacionados ao comportamento financeiro ao público feminino.

Esse texto foi útil pra você? Escreva-me para contar: fabiana@moneymind.com.br.