Criança e dinheiro: como podemos educar os filhos

Onde começa a nossa relação com o dinheiro

Você provavelmente deve pensar que o seu filho precisa de educação financeira para aprender a lidar com o dinheiro. Talvez o que não tenha pensado é que você educa o seu filho financeiramente desde que ele nasceu com os seus exemplos e atitudes, assim como você também foi educada!

Desde criança, você viveu experiências relacionadas ao dinheiro, boas ou ruins. A forma como os seus pais ou adultos com os quais cresceu agiam, falavam ou se sentiam em relação ao dinheiro, certamente afetou a sua forma de agir e se relacionar com o dinheiro.

Talvez, você tenha tido a “sorte” de ter pais que a ensinaram a economizar e investir, mas, se na sua infância, você só ouvia discussões, pode ser que você tenha dificuldade em falar de dinheiro com os seus filhos.

Se seus pais gastavam muito e viviam no negativo, talvez você também gaste além do limite ou, procurando evitar repetir o mesmo padrão, poupe muito e se sinta culpada quando tem que gastar.

Portanto, se você quer que o seu filho tenha uma relação saudável com o dinheiro, não conte apenas com a “sorte” dele aprender ou o conhecimento que ele irá adquirir sobre finanças. Comece observando seu comportamento e saiba como você pode educar o seu filho a lidar com o dinheiro por toda a vida.

Conversando sobre dinheiro

Observe como você fala de dinheiro. É motivo de briga, estresse e discussão? Então, pare. Fale com a criança de uma forma positiva e consciente. Se está passando por alguma dificuldade financeira, converse e explique, pois é importante para ela saber a realidade da família e aprender a viver dentro do limite. Faça a criança se sentir segura e acolhida, independente da situação financeira da família. E aproveite para incentivá-la a desenvolver habilidades e encontrar soluções para diminuir as despesas e fazer coisas que não custam dinheiro, por exemplo. Você estará ajudando a criar seu filho autoconfiante para encarar as situações da vida e saber lidar com o dinheiro até em momentos de dificuldade.

Dê à criança a condição de administrar o dinheiro

A mesada serve para a criança aprender a lidar com o próprio dinheiro e adquirir a liberdade, a responsabilidade e o limite para fazer as escolhas na hora de gastar e poupar. Portanto, oriente o seu filho a pesquisar preço e descontos, dando valor ao seu dinheiro, mas permita que ele faça a escolha.

Um erro comum é dizer: “Isso é muito caro!” Quando essa frase surge ao meio de uma manifestação de vontade da criança, pode gerar um conflito ou, até mesmo, um bloqueio, que faz com que a criança (e também quando se tornar um adulto) não consiga comprar, mesmo tendo o dinheiro disponível. Se há organização e planejamento, não há porque não comprar o objeto de necessidade ou simples desejo.

Não use o dinheiro como forma de punição

Caso a criança não esteja indo bem na escola ou cometa algum erro ou birra, não a puna deixando sem dinheiro ou mesada. Avalie a dificuldade ou necessidade que ela está tendo e como você pode resolver. Errar faz parte da vida. Mostre as consequências dos seus atos, mas não use o dinheiro pra isso. Há outras formas de educá-la.

Nada de sofrimento

Esqueça a ideia de que é necessário dar duro para ter dinheiro. Com esse pensamento, a criança aprende que precisa “sofrer” para conseguir dinheiro. E essa não é uma verdade! O dinheiro pode vir em abundância e com facilidade, mesmo que seja oriundo do trabalho diário. Mostre para a criança como se sentir bem com o trabalho e saber cobrar para atrair cada vez mais dinheiro.

Estimule a capacidade de gerar dinheiro

Na minha experiência com público feminino, percebo que é comum as mulheres carregarem o peso de ter que garantir aos filhos, além das despesas básicas e os estudos, um futuro com carro, moradia e renda.

Se você tem esse comportamento, avalie, pois faz com que você precise de mais dinheiro, pague as contas e não usufrua do dinheiro na sua maturidade ou aposentadoria (mesmo tendo se planejado pra isso). Essa atitute também faz com que o seu filho tenha menos capacidade de encontrar formas de gerar o próprio dinheiro.

Incentive o seu filho a utilizar a criatividade para criar soluções e, com o tempo, vá apoiando para que ele possa gerar dinheiro com esse talento e construir o seu próprio patrimônio. Assim, você criará um filho independente e não vai precisar pagar a conta no futuro.

Você é o exemplo

Tentar ensinar a criança a se planejar e exigir que poupe o dinheiro pouco adianta se você não se organiza e tem uma relação nociva com o dinheiro, como, por exemplo, estar endividada com o cartão de crédito, brigar quando fala de dinheiro e estar estressada e ansiosa com a sua vida financeira.

Assim como você foi associando as suas emoções ao dinheiro em razão das suas experiências vividas desde a infância, seu filho também está construindo a relação com o dinheiro com base no seu comportamento.

Portanto, no dia da criança, dê a seu filho um presente para toda a vida: seja o exemplo de uma pessoa que tenha uma relação saudável com o dinheiro.


*Esse texto foi publicado originalmente no site Bella Mais.

Fabiana G. Mendonça Machado

Sócia-fundadora da MoneyMind® e especialista em comportamento financeiro. Trabalha com processos individuais, treinamentos e palestras com foco em comportamento financeiro, ajudando as pessoas a organizar a vida financeira e lidar com o dinheiro com mais liberdade e consciência.

É colunista do Bella Mais, um site dedicado ao universo da mulher em diferentes segmentos, e escreve semanalmente textos relacionados ao comportamento financeiro ao público feminino.