É a hora certa de falar sobre dinheiro?

Fabiana M. Machado propõe uma discussão sobre o assunto, que extrapole as planilhas de orçamento

De um lado, a quarentena, o isolamento, tempo disponível, todos juntos em casa. De outro lado, o dinheiro incerto, a preocupação do que acontecerá com a economia, como superar os desafios e as dificuldades financeiras. Hora certa para conversar sobre dinheiro?

Dinheiro é dinheiro. Papel ou moeda, ele representa o preço de algo. Nada mais. Mas o que ele carrega é muito mais emocional do que a nossa racionalidade pode imaginar. Com isso, falar de dinheiro pode não ser tão fácil e tranquilo. 

Há quem passe anos lidando com o dinheiro como se resumisse a ganhar, gastar e investir.

Mas a conversa sobre dinheiro, muitas vezes, não é fazer os cálculos em uma planilha ou escolher o melhor investimento e se tornar “inteligente financeiramente”.

A questão é: de onde vem e para onde vai o dinheiro faz sentido pra você? Está alinhado aos seus valores? Consegue viver bem com a sua vida financeira e ter relacionamentos saudáveis? 

Falar de dinheiro é desconfortável, mas necessário!

Entre as mulheres, é comum falar de dinheiro como sinônimo de “onde eu vou gastar”, se vale aquele sapato ou aquela experiência no restaurante, por exemplo. Há quem concorde e há quem ache um absurdo o dinheiro gasto, mas nada mais. Outro assunto é associar o dinheiro à prosperidade e abundância. É bom falar o que dá conforto e traz bem-estar.

Em casa, com a família, a conversa é bem diferente. O assunto não é mais o desejo, o que fazer com o dinheiro no mundo exterior. Máscaras caem e é preciso lidar com o mundo interior: decidir quem paga as contas, quem administra, aceitar as críticas do outro em relação aos gastos, lidar com a desconfiança em não querer compartilhar a conta bancária, conseguir entrar num acordo, lidar com o que um espera do outro: ele deveria ganhar mais ou você gastar menos??? E por aí vai… 

Quem tem filhos, já falou sobre o limite de gastos? Quando dar mesada e conversar sobre as escolhas dos filhos ao gastar? Explicar o que está acontecendo no mundo e impactando as finanças em casa? Que é preciso fazer escolhas, abrir mão de algo material e continuar tudo bem? E quando dizer não?

Em geral, quando o assunto é dinheiro, causa um desconforto e está carregado de emoção. Afinal, pouco aprendemos sobre dinheiro, mas muita coisa vimos acontecer envolvendo dinheiro.

Um olhar na sua história e você vai lembrar de momentos em que dinheiro foi motivo de discussão, separação, desarmonia, desrespeito, desconfiança, traição. A lista é extensa e faz com que se crie uma relação de raiva e infelicidade com o dinheiro. Então, é fácil evitar falar de dinheiro. 

Mas, se não há um diálogo sobre o dinheiro, como garantir os resultados financeiros que deseja e um bom relacionamento ao longo da vida?

Muito se fala em planejar: a aposentadoria, a casa própria, o estudo, as viagens. Há pensou como será o caminho até lá? E ser for preciso mudar o planejamento? O problema não é do dinheiro.

Tem hora certa para falar sobre dinheiro?

Se é importante falar de dinheiro, o momento ajuda. Estar juntos durante a quarentena acaba com aquela desculpa de que não tem tempo para conversar.

Mas o isolamento obrigatório e as dificuldades financeiras têm causado muitos desafios e estresse. E quando alguém está nervoso ou impaciente, certamente não é a melhor hora.

Observe o que acontece com você. Quando a situação financeira não está bem, seja por uma dívida ou por contas a vencer, a tendência é esconder, por vergonha ou por não achar uma solução. Isso não significa que está lidando com a situação. Está apenas escondida. Já aconteceu com você? E se alguém tentar ter uma conversa com você sobre dinheiro, nessa hora, imagina como irá responder?

Por outro lado, falar de dinheiro apenas na hora de pagar as contas dificulta ainda mais a comunicação, pois a chance de uma discussão é certa! E a situação não muda nunca…

Então, aproveite a quarentena para colocar “conversas sobre dinheiro” na pauta da família. Tantas mudanças, em tão curto tempo, forçadas e necessárias… é uma boa hora para rever alguns valores que, certamente, irão impactar a vida financeira daqui pra frente. 

Como fazer?

  • Combine um horário para conversar e esteja disposta a cumprir o compromisso. Encontre um horário e evite falar enquanto estiverem fazendo uma atividade em família, como assistindo a um filme ou durante as refeições.
  • Fale das suas vontades, necessidades, angústias e medos. Ouça. Respeite as diferenças. Se o tom da conversa se elevar, dê um tempo e sugira conversar em outro momento.
  • Se tiver passando por dificuldades financeiras em razão da pandemia do coronavírus, aproveite para fortalecer a união, revisar as finanças e definir os próximos passos juntos. 
  • Encontre o equilíbrio. Pode ser que um tenha mais dinheiro que o outro e precise mais de ajuda, o que é saudável. Não se cobrem da mesma forma.
  • Definam onde vocês querem chegar juntos e como o dinheiro pode ajudar.
  • Faça alguns acordos claros, como dividir ou não as contas, mesmo que de forma desigual. O que é combinado, não é caro!
  • Combine para ter um diálogo único com os filhos e evite usar o dinheiro para compensar o sentimento de culpa ou para punir.

Falar sobre dinheiro pode ser desconfortável, mas é necessário. Se não der, tire o dinheiro da conversa, mas converse. Está na hora de começar a estreitar essa relação!

*Esse texto foi publicado no site Bella Mais, em 28/maio/2020.

Fabiana G. M. Machado

Sou sócia-fundadora da MoneyMind® e especialista em comportamento financeiro. Trabalho com programas individuais, treinamentos e palestras com foco em comportamento financeiro, ajudando as pessoas a organizar a vida financeira e lidar com o dinheiro com mais liberdade e consciência.

Sou colunista do Bella Mais, um site dedicado ao universo da mulher em diferentes segmentos, e escrevo semanalmente textos relacionados ao comportamento financeiro ao público feminino.

Quer saber mais? Acompanhe minha coluna semanal. Todas as quintas tem texto novo para você refletir sobre a sua relação com dinheiro.

Quer construir uma relação mais consciente e saudável com o dinheiro?

Entre em contato